Mark Weisbrot
Folha de São Paulo (Brasil), 14 de setembro, 2011
Em Inglês

Nos últimos dias a imprensa noticiou que a presidente Dilma Rousseff negou ter tentado influir sobre o Banco Central do Brasil para que abaixasse a taxa de juros de curto prazo, como fez o banco em 31 de agosto, de 12,5% para 12%.

O fato de ela ter se sentido na obrigação de fazer tal declaração revela que há um problema com a democracia brasileira -embora seja um problema que o Brasil compartilha com os EUA, os países da Europa e boa parte do mundo.

É difícil encontrar um argumento legítimo para defender que o banco central seja independente da vontade do eleitorado e de seus líderes eleitos -quer seja no ramo Executivo ou Legislativo.

Não é como o Judiciário, em que o argumento tradicional reza que é preciso um Judiciário independente para ajudar a garantir o respeito pelas leis. Os banqueiros centrais não estão interpretando as leis, mas decidindo sobre uma das mais importantes opções de política macroeconômica disponíveis aos governos: a política monetária.

Não existe razão óbvia pela qual essa política deva estar fora do raio de ação da governança democrática, enquanto a política fiscal -a tributação e os gastos- é determinada por líderes eleitos.

Em outras palavras, quem argumenta que o banco central deve ser "independente" está apresentando um argumento um tanto quanto extremo, elitista: está dizendo que a política monetária é importante demais para ser influenciada pelo eleitorado. Mas isso poderia ser dito a respeito de qualquer política econômica ou de outras políticas importantes. Por que não ter um rei que tome essas decisões?

A economia brasileira está se desacelerando mais rapidamente do que o previsto. A pesquisa feita pelo banco central sobre as previsões econômicas indica que o PIB vai crescer 3,7% em 2011, menos que metade do crescimento do ano passado, 7,5%, e menos que as projeções anteriores, de 4%.

A queda recente nas previsões é fruto da incerteza e da volatilidade econômica, resultantes das crises financeiras na zona do euro. Ironicamente, essas são fruto das políticas adotadas por um dos bancos centrais mais conservadores do mundo: o Banco Central Europeu. Comparado com esse, Ben Bernanke, presidente do FED americano, parece um socialista.

A inflação dos preços ao consumidor no Brasil nos últimos 12 meses, incluindo agosto, foi de 7,23%. Mas a inflação sazonalmente ajustada dos últimos três meses, incluindo agosto, é de 5%, fato que indica que a inflação está em queda. Um banco central pode ser independente das necessidades do eleitorado, mas ele não é realmente "independente" -em vez disso, como faz no Brasil, ele atende aos interesses do setor financeiro.

É por isso que os juros praticados no Brasil estão entre os mais altos do mundo e que a moeda brasileira é uma das mais sobrevalorizadas -o que prejudica a indústria e o setor manufatureiro do Brasil. Se, em lugar da suposta "independência", o banco central tivesse que prestar contas democráticas de seus atos, isso ajudaria o Brasil a realizar seu potencial econômico, algo que vem sendo longamente adiado.


Tradução de Clara Allain. Mark Weisbrot, codiretor do Centro de Pesquisas Econômicas e Políticas, em Washington, e presidente da Just Foreign Policy, passa a escrever quinzenalmente às quartas-feiras.

 survey banner

subscribe today!

Site Maintenance

"The CEPR website currently takes longer to load than usual. We hope to have this and other issues addressed shortly. While this much needed site maintenance is taking place, our content is still available so please continue to slooowwwly surf the pages of our site. Thank you for your patience."